O YIN E O YANG DA AUTOCOMPAIXÃO

“Às vezes, o cuidado autocompassivo assume a forma de consolo, uma inclinação suave às emoções difíceis (confortar), e às vezes envolve um “não!” e desviar do perigo (proteger). Às vezes envolve deixar que nosso corpo saiba que está tudo bem com calor e ternura (acalmar), e às vezes isso significa descobrir o que precisamos dar a nós mesmos (prover). Às vezes, autocompaixão requer ser receptivo e aberto ao que é (validar), e às vezes significa que precisamos nos erguer e fazer alguma coisa a respeito (motivar)”. Neff, K. e Germer


Quando pensamos em autocompaixão vêm à nossa mente palavras como carinho, conforto e acolhimento. Porém, ser autocompassiva também envolve agir e fazer coisas que nos protejam, que nos nutram! Quando colocamos um limite em uma situação que está nos machucando, por exemplo, ou quando fazemos algo pela nossa saúde e bem-estar, estamos sendo autocompassivas e cuidando ativamente de nós.

Fazendo uma correlação com a tradição chinesa, em que a a


tributos aparentemente opostos são complementares e interdependentes, a autocompaixão apresenta características relacionadas a "estarmos com" nós mesmos de uma forma compassiva (YIN) como de "agir no mundo" (YANG). Esses atributos, na verdade, estão presentes em todas as ações autocompassivas e são interdependentes.